top of page
Buscar
  • Foto do escritorPsicóloga Angelita Eccel

Divergências entre pais e filhos

Atualizado: 26 de out. de 2022


É comum pais procurarem atendimento para crianças ou adolescentes.

Com a seguinte afirmação: "Não sei mais o que fazer, o fulano está revoltado, só briga com todos, só fica preso no quarto, não quer conversar".

Esses pais esquecem que esses filhos estão vivendo inúmeros conflitos internos, e se questionam, têm milhares de dúvidas.

Sou criança ou sou adolescente?

Será que as pessoas vão gostar de mim?

O que devo fazer para pertencer a esse grupo?

Qual lugar vai me aceitar da forma como sou?

Qual profissão vou seguir? Meus pais querem isso, mas eu desejo fazer outra coisa.

Se nem na minha casa aceitam que tenho minhas opiniões?

Será que alguém vai gostar de mim?


Importante pensar que os adolescentes por si só já são inseguros, tem um turbilhão de emoções e milhares de hormônios explodindo.

Entretanto, na fase da adolescência é muito comum esse conflito entre os pais e os filhos.

Os pais possuem uma opinião formada. Também, pais, por favor, me entendam que de forma alguma vou julgar que vocês estão errados.

Porém, se os pais desejam que seus filhos lhes respeitem é importante respeitar a opinião dos filhos.

Respeitar não significa concordar.

Deve existir um diálogo aberto e deixar os seus filhos se expressarem.

Em 1900 Freud dizia, que a cura vem pela palavra. Isso significa que o diálogo ainda é o mais importante.

Contudo, é necessário ter o cuidado de não ser só um lado que vai falar.


Talvez, por esses jovens não conseguirem se expressar e se colocar na sociedade, o consultório está cheio de adolescentes com ideação suicida. É gravíssimo, pois só cresce na estatística o número de suicídios entre jovens.

Pais, lembre-se, que vocês não devem deixá-los fazerem tudo o que querem, mas devem lhes dar liberdade de poder falar dos seus sentimentos, de suas dificuldades e inclusive de suas opiniões políticas e contrárias às suas.


Vocês já pensaram que seus filhos cresceram, que não são mais aqueles meninos que estavam colados nos pais o tempo todo, que as meninas não são mais aquelas princesinhas.

Que estão num processo de desenvolvimento de sujeito.

Se preocupem se acaso eles não tiverem opiniões próprias, se só aceitarem tudo que vocês falam. Pois poderão ser uma presa fácil da droga e talvez entrarem em relações abusivas.

Poderão ser submissos em relações de amizade, amor e no trabalho.

Portanto, pais aprendam a dosar os pensamentos e ações.

As crianças e adolescentes precisam respeitar vocês, mas também devem ser respeitados.

Devem ter limites sim, mas jamais, por qualquer atitude, serem punidos.

Pois as punições na maioria das vezes só afastam os filhos.

Alguma vez ter de punir seu filho, tudo bem, mas tem pais que viciam em fazer isso. Então, para o filho tanto faz o que fizer.

Alguns não vão dar conta, irão buscar saídas em automutilação, em se trancar no seu mundo depressivo, em ideação suicida, outros nas drogas, outros em grupos dos mais diversos tipos (porém, que se sentem pertencente).



Ajude seu filho (a) a se encontrar e não se perder de si mesmo.

Que talvez, as atitudes de revolta de seu filho(a) são por causa de alguma atitude de um dos pais.

Lembre-se, nós pais também falhamos, e se você exige desculpa dos seu filhos, também se retrate em algum momento que falhar, então lhe peça desculpa.

Está tudo bem mostrar o seu papel de autoridade, mas também de falha, porque falhar é humano.


Psicóloga Angelita Eccel - CRP 07/27530

Psicoterapia individual para crianças, adolescentes, adultos e idosos

Atendimento presencial e online

Agendamento (51) 99764.0404



Para saber mais sobre conflitos na adolescência, veja estes artigos:

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page